O menino nunca mais chorou e nunca mais se esqueceu do que aprendeu: que amar é destruir e que ser amado é ser destruído.
Cidade dos Ossos.    (via desembarcou)
Posted 25 August 2014, 1 week ago | 19,239 notes | reblog this post
(originally s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r / via desembarcou)
O mundo quebrará seu coração de dez maneiras diferentes, isso é uma certeza.
O Lado Bom da Vida. (via desembarcou)
Posted 25 August 2014, 1 week ago | 49,631 notes | reblog this post
(originally delator / via desembarcou)
- Você acredita no “para sempre”?
- Talvez.
- “Talvez “ não é uma certeza.
- “Para sempre” também não.
Desconhecido.   (via desembarcou)
Posted 25 August 2014, 1 week ago | 65,411 notes | reblog this post
(originally extinguir-se / via desembarcou)
Será que pensavam que eu era igualmente fraca? Era eu fraca a ponto de não conseguir obrigar essa mente a responder às minhas perguntas? Ainda mais fraca, uma vez que pensamentos vivos dela haviam existido em minha cabeça, onde não deveria haver nada, a não ser memória? Eu sempre me considerei forte. A ideia dessa fraqueza me fez hesitar.
A hospedeira. (via trovejo)
Posted 25 August 2014, 1 week ago | 776 notes | reblog this post
(originally quoteirando-deactivated20140225 / via trovejo)
Não deixe de acreditar no amor, mas certifique-se de estar entregando seu coração para alguém que dê valor aos mesmos sentimentos que você dá, manifeste suas idéias e planos, para saber se vocês combinam, e certifique-se de que quando estão juntos aquele abraço vale mais que qualquer palavra…
Luís Fernando Veríssimo. (via desembarcou)
Posted 25 August 2014, 1 week ago | 2,962 notes | reblog this post
(originally blitzkrrieg / via desembarcou)
Pra um bom escritor
meia tristeza já é arte
Amor com Vinho.  (via oxigenio-dapalavra)
Posted 25 August 2014, 1 week ago | 2,550 notes | reblog this post
(originally amor-com-vinho / via oxigenio-dapalavra)
Acredite, existem pessoas que não procuram beleza, mas sim coração.
Cazuza.  (via desembarcou)
Posted 25 August 2014, 1 week ago | 20,547 notes | reblog this post
(originally textografias / via desembarcou)
Versifica.
Vê se fica.
Enamorava. (via desembarcou)
Posted 25 August 2014, 1 week ago | 8,554 notes | reblog this post
(originally enamorava / via desembarcou)
Sonhe com o que você quiser. Vá para onde você queira ir. Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só temos uma chance de fazer aquilo que queremos. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana. E esperança suficiente para fazê-la feliz.
Clarice Lispector.  (via desembarcou)
Posted 25 August 2014, 1 week ago | 2,166 notes | reblog this post
(originally romanticou / via desembarcou)

"po, nem sei como te agradecer" "aceito dinheiro"

Posted 25 August 2014, 1 week ago | 20,766 notes | reblog this post
(originally ha-ha-ha-bitch / via rainhax)
Eu ainda estou com você. Mesmo quando você vai embora.
S.O.J.A.  (via desembarcou)
Posted 24 August 2014, 1 week ago | 107,497 notes | reblog this post
(originally rastacorauge / via desembarcou)
Talvez eu seja aquela música, que você não suporta mais ouvir, ou aquele filme que você já assistiu inúmeras vezes. Ou aquele programa chato de televisão, que você não aguenta mais assistir nos domingos de tédio. Talvez eu seja mesmo, um daqueles seus livros empoeirados, que ficam esquecidos na estante do seu quarto. Mas, apesar dos apesares, talvez eu seja aquela única pessoa que se importa com você.
Raphael Henrique, Prescrevi.    (via revejo)
Posted 20 August 2014, 1 week ago | 4,057 notes | reblog this post
(originally desalentou / via revejo)
Eu queria voltar para o meu mundinho particular. Queria voltar para o tempo que eu podia chegar em casa e me enfiar em Hogwarts durante a tarde toda, até meus pais dizerem que tinha que ir para cama. Queria que meus pensamentos durante a noite ainda fossem onde será que está a próxima Horcrux, ou como seria minha vida sendo uma bruxa. Odeio ficar calculando notas mentalmente ou pensando na minha lista infinita de coisas pendentes enquanto tento pegar no sono. Queria voltar para época em que ir para Nárnia também era a minha fuga. Eu sei, e todo mundo que leu o livro sabe, que ir para Nárnia não é lá um sonho muito otimista, mas eu ainda não sabia enquanto lia. Meu sonho era abrir o armário e encontrar neve lá no fundo. Nunca entendi porque os personagens aceitavam voltar para esse mundo chato. Se fosse comigo, se Aslan me dissesse que eu tinha que voltar, eu provavelmente choraria e imploraria para que ele me deixasse ficar lá para sempre. Quando as coisas iam mal na escola eu costumava imaginar que eu tinha uma vida paralela. Uma vida secreta que ninguém sabia. Eu podia ser uma bruxa, uma rainha, pirata, ou até uma semi-deusa, não importa, histórias não faltavam. Minha imaginação era fértil e eu me refugiava dentro dos livros como se eles sim fossem minha vida real. Hoje eu sinto falta tanto das minhas fantasias quanto dos livros.
Bruna Lourenço  (via oxigenio-dapalavra)
Posted 20 August 2014, 1 week ago | 80 notes | reblog this post
(originally amoravas / via oxigenio-dapalavra)
Não sabia direito se devia, se era certo. Mas em nenhuma biografia romântica é possível premeditar acertos ou equívocos, não existem registros ou algo para comparar na mesma existência. A gente faz e vê depois.
Gabito Nunes.  (via proprios-sentimentos)
Posted 19 August 2014, 1 week ago | 6,350 notes | reblog this post
(originally love-in-theory / via whyheroina)
Aprendi que eu não posso exigir o amor de ninguém. Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim e ter paciência, para que a vida faça o resto. Aprendi que não importa o quanto certas coisas sejam importantes para mim, tem gente que não dá a mínima e eu jamais conseguirei convencê-las. Aprendi que posso passar anos construindo uma verdade e destruí-la em apenas alguns segundos. Que posso usar o meu charme por apenas 15 minutos, depois disso, preciso saber do que estou falando. Eu aprendi… Que posso fazer algo em um minuto e ter que responder por isso o resto da vida. Que por mais que se corte uma pão em fatias, esse pão continua tendo duas faces, e o mesmo vale para tudo o que cortamos em nosso caminho. Aprendi… Que vai demorar muito para me transformar na pessoa que quero ser, e devo ter paciência. Mas, aprendi também que posso ir além dos limites que eu próprio coloquei. Aprendi que preciso escolher entre controlar meus pensamentos ou ser controlado por eles. Que os heróis são pessoas que fazem o que acham que devem fazer naquele momento, independentemente do medo que sente. Aprendi que perdoar exige muita prática. Que há muita gente que gosta de mim, mas não consegue expressar isso. Aprendi… Que nos momentos mais difíceis, a ajuda veio justamente daquela pessoa que eu achava que iria tentar piorar as coisas. Aprendi que posso ficar furioso, tenho o direito de me irritar, mas não tenho o direito de ser cruel. Que jamais posso dizer a uma criança que seus sonhos são impossíveis, pois seria uma tragédia para o mundo se eu conseguisse convencê-la disso. Eu aprendi que meu melhor amigo vai me machucar de vez em quando, e que eu tenho que me acostumar com isso. Que não é o bastante ser perdoado pelos outros, eu preciso me perdoar primeiro. Aprendi que, não importa o quanto meu coração esteja sofrendo, o mundo não vai parar por causa disso. Eu aprendi… Que as circunstâncias de minha infância são responsáveis pelo que eu sou, mas não pelas escolhas que eu faço quando adulto; Aprendi que numa briga preciso escolher de que lado eu estou, mesmo quando não quero me envolver. Que, quando duas pessoas discutem, não significa que elas se odeiem; e quando duas pessoas não discutem não significa que elas se amem. Aprendi que por mais que eu queira proteger os meus filhos, eles vão se machucar e eu também. Isso faz parte da vida. Aprendi que a minha existência pode mudar para sempre, em poucas horas, por causa de gente que eu nunca vi antes. Aprendi também que diplomas na parede não me fazem mais respeitável ou mais sábio. Aprendi que as palavras de amor perdem o sentido, quando usadas sem critério. E que amigos não são apenas para guardar no fundo do peito, mas para mostrar que são amigos. Aprendi que certas pessoas vão embora da nossa vida de qualquer maneira, mesmo que desejemos retê-las para sempre. Aprendi, afinal, que é difícil traçar uma linha entre ser gentil, não ferir as pessoas, e saber lutar pelas coisas em que acredito.
William Shakespeare.    (via proprios-sentimentos)
Posted 19 August 2014, 1 week ago | 30,777 notes | reblog this post
(originally auroriar / via whyheroina)
"Vai lá otaria, manda mais uma mensagem, como se ele não tivesse recebido todas as ultimas. Enche a caixa de entrada do celular dele, como se isso fosse fazê-lo sentir algo por você além de enjoo. Enjoo do teu exagero, enjoo de quem insiste em dançar sem musica, sem ritmo, sem dança, sem pista, sem par, que tal se valorizar?" — Tati Bernardi
free to fly to the sun
Livre pra poder buscar o meu lugar ao sol
theme por affectingyou; com detalhes de decepcionar, abismopoetico e desesperancoso.